Casamento é Interdependência

“Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo.” (Efésios 5:21)

Muito se tem dito e escrito a respeito do casamento, sendo que algumas vezes se chega a conclusões erradas devido à análise isolada dos papéis e responsabilidades do marido e da esposa.

O texto do capítulo 5 de Efésios é muito rico sobre este tema e deve ser analisado na sua completude e não de forma isolada.

Bastante se fala sobre a submissão da esposa ao marido, mas antes de tratar das responsabilidades de cada um o apóstolo Paulo inicia tratando da submissão mútua, ou seja, que ambos são iguais diante de Cristo Jesus e devem se submeter um ao outro.

Se não houver esta sujeição à Cristo, tudo o mais que possa ser dito a este respeito não passa de um acumulado de regras sem sentido que somente nos levará à ruína.

Além disto, este conjunto de orientações é analisado de forma intercalada pelo apóstolo. Por exemplo, não há como entender a submissão da esposa ao marido sem analisarmos o caráter de liderança que se exige do marido.

O fato é que a vida conjugal com seus princípios e mandamentos para o marido e para a esposa não podem ser tratados de forma isolada, pois são a face de uma mesma moeda. Uma face de uma moeda não pode existir sem a outra face – sem uma das faces não há moeda.

Tanto esposo quanto esposa possuem a mesma posição em Cristo, são filhos de Deus, claro que, desde que sejam cristãos autênticos, tendo nascido de novo em Cristo. Portanto, são iguais em Cristo, sem distinção, podendo também cada um ter os seus dons espirituais. Naturalmente, o Deus Todo-Poderoso lhes dará dons complementares para que possam fazer mais no Reino de Deus quando em unidade.

Relativamente a isto, são irmãos em Cristo e devem também amar-se com a característica do amor fraternal, que é bastante tratado na Palavra de Deus. Significa que no dia bom, os cônjuges devem amar-se um ao outro com alegria. No dia mal, devem exercer o mesmo amor de Deus Pai que nos concedeu Jesus quando éramos inimigos Dele e estranhos. Quando fazemos isto acumulamos brasas vivas sobre a cabeça do nosso cônjuge, o que será benção para nós e para o casamento.

Quando chegamos às funções e responsabilidades, começa uma distinção. A Palavra cita o marido como cabeça do lar e a esposa como auxiliadora. Observe que há uma necessidade natural de que as funções sejam distintas, senão não se conseguirá obter a unidade. É assim em qualquer local onde reúnem-se algumas pessoas para realizar algo.

E o casamento tem como objetivo, entre outros, de criarmos em um lar amoroso os nossos filhos sendo exemplos de amor e compreensão mútua.

As responsabilidades também são distintas, de forma que não haja sobreposição de atividades e tampouco atividades não realizadas que deixariam lacunas no lar.

Ao esposo cabe liderar, amar, alimentar e cuidar. Hoje em dia, muitos maridos têm se esquivado desta responsabilidade, amedrontados pela incerteza futura, esquecendo-se de que este papel é comparado ao de Cristo, e que Ele mesmo auxilia o marido a cumprir seu papel.

De outra parte, à esposa cabe submissão à liderança, o respeito e a beleza interior e exterior, sendo esta semelhante à uma noiva, que se prepara para encontrar o noivo, o qual compara-se à igreja de Cristo.

Alguns podem se sentir desconfortáveis com esta lista de responsabilidades, mas explanarei cada uma delas mais à frente e ficará claro o sentido, o contexto e a importância de cada uma.

PARA EXERCITAR COM SEU CÔNJUGE

  • Tenho assumido minha função no casamento conforme a Palavra?
  • O que posso fazer para me ajustar à orientação da Palavra?

“Pai celestial, que meu relacionamento conjugal esteja plenamente alinhado à Sua vontade e à Sua Palavra. Reconheço que durante algum tempo andei longe disto e acumulei situações indesejáveis e difíceis sobre meu casamento. Que com Seu auxílio eu possa me realinhar ao teu plano. Amém!”

Luis Antonio Luize

Share this article

Comments

  • 7 de outubro de 2015

    Prezado irmão em Cristo Jesus Luis Antonio Luize, boa noite! Esse contexto descrito nessa feliz devocional para os casais tementes a Deus, vem de forma sumária arrebatar o que Deus pensa do homem, e o que Ele pretendeu com a formação do casal. Ou seja, homem e mulher. Quais sejam as responsabilidades de cada um, conforme a vontade d Senhor Criador de todas as coisas, quer seja nos céus, na terra ou no mar. Então, importante para que tudo aconteça de conformidade com esta vontade de Deus é importante que sejamos cúmplices como homem ou mulher, cada um na sua propositura. Que Deus continue abençoando a nós os casais…

  • Airton
    19 de novembro de 2015

    Pastor Luis:

    A sujeição recíproca concorre para a harmonia no lar, porque conduz os cônjuges para o mesmo nível. A ausência dela incita a briga pelo poder, que alimenta a exploração de um cônjuge pelo outro. Isso redunda em conflito, pois ninguém gosta de ser explorado. Quando o casal entende e vive a dependência mútua, o temor de Cristo é nítido.

Deixe Seu Comentário