A Fé Começa em Casa – O Papel do Pai e da Mãe

“Felizes as pessoas que têm fome e sede de fazer a vontade de Deus, pois ele as deixará completamente satisfeitas.” (Mateus 5:6)

Pai e mãe foram criados por Deus cada qual com um papel muito bem definido. Cada um deles comporta-se de maneira diferente e necessária para a formação de uma família saudável. Muitos casais, ao invés de entenderem estes papéis e trabalharem como uma equipe de uma-só-carne, passam a se machucar mutuamente por desconhecer esta dinâmica e entram num círculo vicioso, muito diferente do ciclo virtuoso projetado por Deus para o casamento.

Quando a criança nasce, é notória a diferença do papel do pai e da mãe. A mãe toma seu bebê no colo e o traz para junto de si, na maioria das vezes bem enrolado numa manta que o proteja do frio e do vento, numa demonstração clara de que a protegerá de todos os problemas do mundo e não permitirá que nada venha retirar seu bebê de perto.

Já o pai quando pega a criança, na maioria da vezes tira a manta porque lhe atrapalha segurar por debaixo do braço do filho, então, levanta ele bem alto para todo mundo ver, ou vira-o para a frente para que possa ver tudo do seu ponto de vista, numa demonstração clara de que está com ele e irá ensiná-lo a conquistar o mundo.

Quando cresce, a criança vai jogar futebol, por exemplo, e quando um dos meninos derruba seu filho, se a mãe está por perto, ela chama o menino, que começa a chorar pedindo proteção e a mãe o acolhe no colo e diz que os outros meninos são todos “malvados”, mas que ela vai cuidar dele, ninguém vai machucá-lo, isto quando não vai tirar satisfação com a outra mãe ou com o outro menino.

Já o pai na mesma situação, chama o filho, no máximo passa um cuspe no joelho dele e diz “vai lá que agora você consegue, vou te dizer como fazer desta vez. Vai!”

Mas esta diferença começa logo cedo, na verdade desde a concepção, sendo o homem que determina o sexo da criança, pois somente ele possui o cromossomo Y que junto ao cromossomo X da mãe pode gerar um menino. A presença do pai é fator determinante na boa formação da identidade do filho(a). A sua falta ou ausência emocional poderá levar a adultos com algum tipo de distúrbio na área da personalidade, identidade e/ou capacidade de desenvolver relações de afeto.

Muitas pessoas passam por uma crise de identidade hoje em dia, sendo isto fruto da ausência do pai no ambiente familiar, muito comum numa cultura em que a produção independente está na moda, assim como a falta de responsabilidade dos homens em honrar seus compromissos assumidos com sua mulher, seja ela namorada, noiva, esposa ou apenas morem juntos. Também pode ocorrer se há caso de vícios pelo pai causando uma distância emocional.

Por volta dos 12 anos é quando esta identidade é fixada, sendo o momento em que ocorre a maioria dos divórcios nas famílias. Como reflexo desta situação, temos filhos sem direção na vida, pois lhe falta o direcionamento e estímulo do pai para que possa se desenvolver adequadamente e atingir todo o seu potencial na vida.

Examinando o papel das mães, observamos que normalmente esta é responsável por alimentar, proteger e apoiar os filhos. Explico, ela mantém a criança nove meses em sua barriga e depois através da amamentação lhe transmite todos seus anticorpos, pois é da natureza da mãe dar vida e saúde aos filhos.

Mas esta vida e saúde não se resume à parte física, facilmente identificável, mas também vida e saúde emocional e espiritual.

Ao ensinar seu filho com histórias bíblicas e orando junto com ele toda noite, a mãe está lhe transmitindo vida e saúde espiritual. O pai tem papel importante na vida espiritual dos filhos, mas como normalmente fica pouco tempo com estes devido ao trabalho, deve aproveitar todas as oportunidades que surgirem para ensiná-los, seja através de histórias bíblicas ou a oração. A palavra diz que se ensinarmos ao filho quando for novo, quando for mais velho não se desviará do caminho certo.

Quando o esposo ou o filho volta de alguma atividade externa e chega em casa chateado, a pessoa que pode ajudá-los a superar esta frustração é a mãe. Se sua língua está a serviço de Deus, ela irá proferir palavras boas que serão bálsamo para eles e se sentirão renovados para ir em frente e superar os obstáculos.

Recentemente li o artigo de um cientista que estava fazendo mapeamento do cérebro humano para entender os problemas mentais e como superá-los. Usou seu próprio cérebro como modelo para comparação, pois acreditava não possuir qualquer tipo de desvio.

Pois bem, após minuciosa análise de cérebros de psicopatas, surpreso, descobriu que seu cérebro tinha o mesmo tipo de deficiência do cérebro de psicopatas e serial-killers conhecidos.

Após uma retrospectiva e entrevista com seus familiares, reconheceu que nunca havia manifestado esta deficiência porque havia sido ensinado pela sua mãe, que quando observava um comportamento inadequado, o orientava sobre como proceder de maneira correta.

A atitude desta mãe transformou um assassino em potencial em um cientista renomado.

“Senhor, apesar da maneira como sou, com falhas e defeitos, me ajude a ser um bom pai/mãe, desenvolvendo o potencial de meus filhos de maneira a estarem de acordo com a sua Palavra. Que o Teu amor inunde o meu coração cobrindo minhas falhas e eu possa então transmitir este amor àqueles que me são queridos.”

Luis Antonio Luize

Share this article

Comments

  • Jóssele de Oliveira Maciel
    5 de março de 2014

    Muito boa colocaçao desses ensinamentos.

  • Eliseu de Castro Pinto
    5 de março de 2014

    Achei muito importante e esclarecedor a mensagem “A fé começa em casa — O papel do pai e da mãe”. Além do mais, achei-a muito edificante e irei compartilhá-la com outras pessoas. Vocês estão de parabéns por este magnífico trabalho, e que o nosso Bendito Pai Celestial lhes dê muita sabedoria, discernimento, entendimento e os recompense com as mais ricas e escolhidas bençãos, protegendo-os de todos os males, e que sejam extensivas aos seus familiares.
    Saudações em Cristo Jesus, o nosso Eterno Salvador,
    Agradecidamente,
    Eliseu

  • Denise Alves de Carvalho
    5 de março de 2014

    Achei interessante o texto, um bom direcionamento para pais que por um motivo ou outro não tem tal conhecimento quanto aos papéis que cada um deve ter para uma boa formação dos seus filhos. Acredito que é de suma importância esse caminhar juntos mãe/pai na educação dos filhos.
    Quanto a questão da psicopatia, o texto aborda de uma forma muito simplista, e de certa forma atribui no caso acima citado a postura/orientação/atitude da mãe como responsável pelo não desvio de conduta do filho. Diante de um quadro de psicopatia a postura dos pais não é suficiente para que não ocorra a instalação de tal desvio,
    há vários estudos e sabemos que o funcionamento de cérebro de um serial-killer é diferente de um cérebro normal, sabe-se que a área que corresponde as emoções é completamente diferente, tais pessoas são isentas do sentimento de culpa.

  • Eliene Souza Reis
    6 de março de 2014

    Muito boa mensagem! Glória a Deus que nos proporciona ensinamentos e valores por meio de sua Palavra e por meio de instrumentos como este Ministério. Que Deus os abençoe a cada dia e lhes mostre onde há maior deficiência para recuperação de lares hoje tão deturpados.

  • Francisco Neves
    6 de março de 2014

    Artigo maravilhoso! Quando caseio eu e minha amada tínhamos 23 anos. Deus nos presenteou com uma menina dois anos depois. Por ser militar moramos em lugares bem longe dos nossos pais e assim aprendemos a cuidar um do outro e a educar nossa filha nos caminhos do Senhor desde pequena. Agora, com 28 anos de casados e nossa filha com 26 anos, já formada e trabalhando no que ela gosta que é a área de ensino, eu e minha amada somos muitos gratos ao Senhor Jesus e temos a certeza de que criamos a nossa filha da melhor forma possível e já adulta, sabemos que ela não depende mais de nós para andar nos caminhos do Senhor. Repito, artigo maravilhoso!!!

  • elza
    8 de março de 2014

    Maravilhoso! Alerta para os pais. Dus os abençoem sempre. Este ministério tem me edificado muito.
    Abraço.

  • Airton
    11 de março de 2014

    Luiz Antonio:
    Há uma tendência na sociedade de supervalorizar o papel da mãe na educação dos filhos. Nessa mensagem, que bom,você discorreu com maestria sobre a importância do pai na formação da pessoa. Pai e mãe têm papel relevante na formação da criança, desde a concepção até a velhice. Que o Pai nos capacite a desempenhar com excelência o papel que nos cabe.

  • Antonino
    17 de março de 2014

    GOSTO DE TEMA E PROCURO SEMPRE ME ATUALIZAR NESTES ASSUNTOS POIS POR MAIS BATIDO QUE SEJA , SEMPRE EXTRAÍMOS LIÇÕES PODEROSAS. PARABENS

  • 18 de março de 2014

    Maravilhosa colocação sobre os pais ,porque a sociedade e principalmente nos cristãos temos investidos os papéis de mãe e pai dentro do nosso lar ,e vemos a consequência de lares destruídos .Deus continue os abençoando.

Deixe Seu Comentário