Crise de Autoridade

O mundo hoje vive uma crise de autoridade. Filhos não respeitam pais, pais não respeitam leis e autoridades, as próprias autoridades se corromperam.

Como chegamos a esta situação?

Atualmente, todos querem ser independentes e não obedecer a ninguém, pensando que assim serão livres e farão o que querem. E a felicidade e liberdade que eram para vir não chegam. A pessoa parece ficar com um vazio interior. Deveria estar feliz por seguir o que deseja, e, de fato, faz o que deseja, sem obedecer a ninguém a não ser sua vontade, mas não chega lá.

Esta crise começou a muito tempo. Vamos rever algo que está escrito desde que o povo judeu saiu do Egito. Naquela oportunidade Jeová – o Deus dos judeus – disse que seria quem estaria governando o povo. Diz a bíblia que Ele desejava que o povo seguisse Suas orientações.

Em seguida a própria bíblia diz que este mesmo povo desejou ter um Rei humano. Saul foi coroado rei. Era um homem alto e forte, um protótipo de um bom rei aos olhos humanos, mas sua índole não era como seu aspecto. Esta era fraca e pequena, algo bastante antagônico em relação aos olhos humanos. Não é a toa que Deus diz pelo profeta de que Ele vê o coração e os homens o aspecto.

Bom, em pouco tempo este bom rei aos olhos humanos estava sendo rebelde. Isto mesmo! Só podemos ter autoridade quando estamos debaixo de autoridade. Saul não se sujeitou a estar debaixo da autoridade de Deus e tampouco de Samuel, o profeta daquele tempo.

Aí está! Quebrar a linha de autoridade parece ser um caminho de felicidade, mas ao contrário, deixa-nos vulneráveis e repreensíveis.

Diria que é algo semelhante à queda do homem no Jardim do Éden. Também foi uma rebeldia, sairam de debaixo da proteção de Deus para seguir outro caminho.

Em seguida veio Davi. Um rapaz franzino, tanto que a armadura de Saul não lhe serviu na oportunidade que foi contra Golias, portanto, fisicamente inadequado, mas como Deus olhou o interior, este mostrou-se digno de muita autoridade, como de fato no futuro recebeu.

Chegou ao ponto em que Davi tinha a oportunidade de matar Saul e assumir o trono, mas preferiu não fazê-lo. Sabia que, mesmo estando Saul em rebeldia, este ainda estava investido de autoridade por Deus. Esta atitude é peculiar, pois, uma autoridade estava fora de seu caminho estabelecido, mas foi respeitada.

Jesus reitera esta posição quando diz: “Dai a Cesar o que é de Cesar, e a Deus o que é de Deus.“. De certa forma diz que devemos respeitar as autoridades, e este mesmo Cesar e suas autoridades delegadas foram os executores de Jesus.

Mais do que isto, Jesus diante de Pôncio Pilatos diz que a autoridade deste havia sido dada por outro, que não era dele próprio. Sendo portanto uma autoridade corrompida, Jesus poderia ter se furtado a obedecê-lo, mas não o fez. Jesus se submeteu a todas as autoridades humanas, em Deus ou não, não fez distinção entre elas.

Abraão foi outro exemplo interessante de boa autoridade. Recebeu uma ordem expressa de sair de sua parentela e ir por um caminho desconhecido. O caminho de obediência trilhado por ele o levou a receber uma promessa maravilhosa por parte de Deus.

Marido e mulher. A bíblia diz que o marido é o cabeça do casal e a mulher deve viver em submissão ao seu marido. Muitos pensam e agem de uma maneira bastante radical em relação a este tema. Meu pensamento é que sub-missão significa uma missão conjugada à missão principal, ou seja, há uma missão e a esposa é a auxiliadora para chegar lá, atingir o objetivo, enfim, terem a vitória.

Quando esta linha de autoridade é quebrada, cada um deseja sua própria vontade, e tudo começa a desandar no relacionamento. Por outro lado, quando está em harmonia e obediência, ao invés de ficarem limitados por esta decisão, ficam na verdade livres para poderem realizar coisas maiores do que fariam antes.

Quer dizer, seguir a orientação da autoridade instituída vai nos fazer trilhar um bom caminho e ressuscita sonhos já esquecidos ou desprezados.

Há uma benção de Deus sobre aqueles que respeitam a autoridade.

Vamos ao âmago da questão. O que Lúcifer lutou e luta é contra a autoridade de Deus, portanto, um rebelde por natureza, e procura levar outros a irem pelo mesmo caminho, com a promessa de vida melhor.

Jesus mesmo, quando veio a esta terra, veio com o único propósito de fazer a vontade do Pai, ou seja, mostrar a todo o universo de seres espirituais e carnais de que é possível viver em obediência a Deus e ser vitorioso, aliás, de que este é o único caminho para a vitória nesta vida e na vindoura.

Não é de admirar que Satanás alicie autoridades, pois deseja perverter a autoridade desde o início, e assim, realizar seu intento. Tentou isto com o próprio Jesus, ao qual lhe pediu que se prostrasse diante dele. Muitas autoridades caem diante deste aliciamento maligno, pois as promessas são grandes: dinheiro, status e sexo. Aliás, parece que estes três elementos sempre estão por detrás dos escândalos envolvendo autoridades.

O que muda de uma pessoa para outra é a índole. Alguns possuem boa índole, outros parecem ser dotados de má índole. Ou melhor dizendo, uns possuem uma alma (vontade) mais forte e não são subjugados pelos desejos da carne, enquanto outro tanto, a maioria por sinal, deixam-se levar pelo seu desejo carnal.

E pensam algo mais ou menos como: “Por que sofrer sendo correto se posso viver bem dando um jeitinho?“.

A carne atua sobre eles e os comanda, levando-os a fazer a vontade do seu próprio coração e não a vontade do Pai, como Jesus fazia.

No limite posso dizer que passam a ser agentes do mal, tanto quanto os anjos decaídos, pois tornam-se pessoas decaídas, que passam a seguir sua própria vontade.

Não é a toa que o livro de Apocalipse diz que o nos últimos tempos o amor de muitos esfriaria. Claro, se Deus é amor e as pessoas estão distantes Dele, naturalmente desenvolvem o oposto do amor. E é exatamente o que vemos acontecendo hoje no mundo.

As pessoas querem independência e tudo para sí – egoísmo, e nada parece melhorar, muito ao contrário, piora continuamente.

Não há outro caminho. Ou nos convertemos completamente à autoridade de Jesus em nossas vidas, ou estaremos caminhando na direção oposta à que desejamos, e o fim será inevitável – morte eterna.

E você, o que fará a respeito?

Share this article

Deixe Seu Comentário